quinta-feira, 2 de agosto de 2012

LOLA 75


8 comentários:

Danniel disse...

Prezada Laerte, uma vez você comentou que aprendeu com o Henfil que há horas para se fazer um traço mais caprichado, outra vez um traço mais simples. Acho que a Lola é a grande tirinha para crianças da atualidade, porque é capaz de mexer com o deslumbre guiado por uma mente muito desenvolvida para elas, mas ainda capaz de deslumbrar. Mas, justamente por isso, merecia um traço mais geométrico que envolvesse a mente tenra na mensagem e não na forma. Acho que seria o toque final conseguir tornar as informações gráficas são mais claras, sem perder a essência. Eu ainda enxergo você como empreendedor dos quadrinhos, talvez com um desafio diferente de outras épocas. Abraço.

Danniel disse...

Na realidade, o que eu quis dizer é que as formas simples criam aceitação por toda a sociedade, quando a subversão (no bom sentido, claro) estaria no conteúdo e não na forma. Ia adorar de ver a Lola mexendo com as mentes férteis ehehehe.

Laerte disse...

Danniel, o fato de você voltar pra explicar evidencia a confusão do discurso. “Forma e conteúdo”, essa dicotomia é meio antiga, não? Quero dizer, superada.

Danniel disse...

Talvez, na forma...

Mogli disse...

Laerte, faz de novo uma tira do Overman, por favor.

Bruno disse...

Recentemente, assisti ao desenho americano, imagino, chamado "Catdog". Percebi que há uma personagem pássaro chamada Lola, com a mesma mesma coloração da sua. Há alguma relação ou é mera coincidência?

Anónimo disse...

Eu não sei desenhar Laerte então fico muito a vontade para dizer o seguinte: A Lola é bonita na imagem, no nome e na alma. Não sei nada de arte gráfica mas esta historinha da Lola e a máscara está excelente porque as crianças curtem muito as máscaras e também tá genial para adultos porque envolve psicologia, filosofia, arte. Tá super inspirado. Fatima de Laguna/SC

raph disse...

O poeta finge ser dor a dor que deveras sente... Algumas máscaras sobrepostas vão aí...

Etiquetas