terça-feira, 9 de dezembro de 2008

eu, travesti - parte 7

9 comentários:

Leandro Robles disse...

Essa história está "com sentido". Bem mais que a do Minotauro, pelo menos. Muito bacana.

Gregs disse...

Nussa, muito bom! Cê tá com a moral Laerte, meus parabéns.

Não entendeu nada do minotauro, Leandro? quer que desenha? heauhauahuea

Pan Box disse...

Alguém desenha pro Leandro, HAHAHA.
O Laerte não bastou. >D


Enfim, lindo o último quadrinho. Ótimo para emoldurar e colocar na parede, fazer uma estampa de camiseta ou tatuar.

Leandro Robles disse...

Quem falou que eu não entendi?
E quem falou que era pra entender?
Cês acharam que eu tava reclamando? Tava só notando uma diferença de abordagem entre duas histórias seguidas. Uma mais pirada e a outra mais de cotidiano.
Mas adoro as duas. Beijundas.

Pan Box disse...

Que era pra enteder, era sim.
Mas eu não falei que você não entendeu, só fiz piada em cima do "quer que desenhe" acima.

Anónimo disse...

Esse exemplar raro de casal de fofinhos tá massa: a moça, por conta própria, bem poderia desenhar pro rapaz um coração vermelhinho legendado; E o rapaz dar-lhe dicas de como incrementar mais suas piadas. Porque, em humor, o "beijundas" ficou na frente.(ou 'atrás' de lá eles, sei lá)

kkkkkkkk

Beijo!

Pan Box disse...

Anônimos precisam aprender a ter uma maior eloquência.

Anónimo disse...

Apenas isso?... Ok. Anônimo por opção explode um beijo eloqüente em seu coração! Linda

Gregs disse...

/\
gostei da eloquência anomística aí.

Leandro, sorry. A intenção não era te zuar. O "não entendeu nada" foi só pra zuar com o "quer que desenhe" (que foi extremamente engraçadíssimo, diga-se de passagem)

Etiquetas